TRECHO EXCLUSIVO (Parte1) Lover Unveiled


(Esta é uma tradução livre do site Black Dagger Lover, divulgada aqui pela própria J.R. Ward no dia 02/02/2021)

LEIA:

CAPÍTULO 21

TRECHO 1

TRECHO 2 

TRECHO 3

TRECHO 4

TRECHO 5

ATENÇÃO! A leitura do trecho abaixo é por sua conta em risco, já que ele é 

PURO SPOILER de LOVER UNVEILED.


PARTE 1 

CAPÍTULO 1

Trade Street com 30ª Avenida
Downtown Caldwell, Nova York

Quarenta e oito minutos antes de Ralphie DeMellio ser assassinado, ele estava vivendo a vida.

"É isso aí", seu amigo estava dizendo enquanto esfregava os ombros nus de Ralphie. "Você consegue, você é um monstro, você é um monstro filho da puta!"

Ele e sua equipe estavam no sexto nível de um estacionamento que estava cheio de manchas de óleo e lixo, ao invés de qualquer Oldsmobiles* e Lincoln* [* modelos de carros]. A instalação abandonada era apenas uma porra de uma cômoda de concreto sem nada nas gavetas e, nesta parte de Caldie, qualquer tipo de solidão não durava muito. Olá, BKC* [* Bare Knuckle Conquests]. Bare Knuckle Conquests* [* tipo de luta de rua do submundo, sem o uso de luvas ou qualquer acessório de segurança para os lutadores] era o único circuito de luta underground legítimo na parte sul do estado de Nova York, e a luta realizada esta noite foi a razão pela qual ele, seus irmãos e quinhentos Insta-famers* [* Perfis do Instagram sobre esportes] seguidores estavam aqui.

Mais algumas selfies e seria a maldita pista da carteira de motorista no DMV * [* refere-se à área metropolitana de DC, Maryland e Virginia].

Mas o BKC era um grande negócio, e Ralphie, como o campeão em título, estava ganhando muito dinheiro. Desde que nenhum daqueles idiotas com os telefones com câmera revelasse sua localização. E porra, como quais eram as chances disso com todos esses gênios.

“Onde está a coca?* [*cocaína].”

Ele estendeu a mão e, quando o frasco marrom foi colocado em sua palma como um instrumento cirúrgico, ele foi dar um rolê. Enquanto ele enfiava dois quilos de pó em seus seios da face, seus olhos saltaram sobre a multidão. Na outra extremidade do nível, eles estavam impacientes, drogados e fazendo suas apostas com os corretores de apostas do organizador. Nada além de três rodadas de minutos nus entre eles e a matança que esperavam fazer.

Ralphie era uma aposta muito boa.

Ele não tinha perdido uma luta ainda, embora tivesse músculos magros e fumava muita maconha. Mas aqui estava a merda. Os seguranças com bíceps de pedra e barrigas de gelatina só impressionavam quando parados. Faça-os se moverem e eles não terão equilíbrio, nem velocidade, e movimentos como se tivessem visão dupla. Enquanto Ralphie continuasse zunindo como uma mosca na merda, ele era inatingível quando seu gancho de direita começava a funcionar.

“Você está bem, Ralphie. Você é bom pra caralho! "

"Sim, isso mesmo, Ralphie, você é o melhor!"

Sua equipe era composta por cinco caras da vizinhança. Eles cresceram juntos e eram todos parentes, suas famílias vieram de barco para a Ilha Ellis algumas gerações atrás e saíram de Hell’s Kitchen* [* bairro nova-iorquino] assim que puderam pagar. Little Italy* [* bairro nova-iorquino] em Caldie era um pouco diferente de Manhattan, e como seu pai sempre dizia, não confie em alguém que você não conhece, e não conhece alguém se você não pode ir a pé até sua casa.

E havia outra pessoa na equipe de Ralphie.

"Onde ela está?" Ralphie olhou em volta. "Onde é-?"

Chelle estava de volta ao G4* [* modelo de carro], posando como uma garota Pirelli* [* marca de pneus], os cotovelos no capô, um calcanhar enfiado no aro do pneu. Sua cabeça estava para trás, as pontas roxas de seu cabelo preto lambendo a tinta metálica, seus lábios vermelhos separados enquanto ela olhava para o nada. A noite estava fria porque Abril ainda era uma cadela neste código postal, mas ela não dava a mínima. Seu bustiê era tudo o que ela tinha em cima, e a parte de baixo não era muito melhor coberta.

Poooooora. Essas tatuagens na parte superior das coxas estavam aparecendo. E aquelas nas protuberâncias de seus seios. E a manga em seu braço esquerdo.

Ela sempre se recusou a obter uma de suas iniciais.

Ela era assim.

Como se tivesse entendido o que ele queria dizer, Chelle lentamente virou a cabeça. Então ela lambeu os lábios vermelhos com a ponta da língua.

A mão de Ralphie foi para a frente de sua calça jeans. Ela não era o tipo de mulher que você trazia para sua mãe e, no início, essa foi a razão pela qual ele a fodeu. Mas ela era inteligente e tinha seu próprio salão de beleza. Ela não verificou o telefone dele. Ela não se importava se ele saísse com os rapazes. Ela tinha seu próprio dinheiro, ela nunca pedia nada a ele, e ela tinha opções, muitas opções.

Os homens a queriam.

Ela estava com ele, no entanto. E não importa a aparência dela, ela não apareceu para sua equipe. Ela não era um lanchinho da madrugada, e se alguém se esfregasse nela? Ela estava a um tapa de arrancar seus malditos dentes.

Então, sim, depois de um ano, Ralphie estava dentro dela.

A ponto de não se importar com o que os outros pensavam, incluindo sua tradicional mãe italiana. Tanto quanto ele estava preocupado, Chelle era material para uma esposa e isso era tudo que importava.

“-sacou, Ralphie?-”

Para não matar o beija-bunda em seu rosto, Ralphie colocou a mão no centro do peito de seu cara e empurrou o para trás. "Me dê um minuto."

Sua equipe sabia o que estava acontecendo e eles se viraram e encararam a multidão, ombro a ombro.

E Chelle estava malditamente ciente do que ele estava procurando.

O G4 estava estacionado, apenas alguns metros de espaço entre o para-choque traseiro e a parede de concreto nojenta da garagem. Chelle deu a volta e assumiu a posição, recostando-se na porta traseira quadrada do Benz e arqueando a merda. Em seus saltos, ela era tão alta quanto Ralphie, e quando suas pálpebras baixaram e seus seios se esticaram contra as bordas de renda do corpete, ela o encontrou bem nos olhos.

O coração de Ralphie estava acelerado, mas seu sorriso foi lento quando ele colocou as mãos em sua cintura. "Você quer isso?"

"Sim. Me dê isso.”

Ralphie abriu o zíper da calça jeans e se acariciou enquanto beijava sua garganta. Porque ela não queria que ele bagunçasse seu batom. Esse tipo de merda viria mais tarde, depois que ele batesse na bunda de quem iria julgá-lo esta noite. Mas ele não estava prestes a dirigir seu caminhão na lama, e ele não estava prestes a bagunçar sua mulher em público.

Chelle moveu sua calcinha de lado, e quando ela colocou um salto contra o concreto, ele bombeou dentro dela enquanto ela agarrava seus ombros nus.

O sexo era quente pra caralho. Porque descobriu que se ele respeitasse a mulher? Isso deixava tudo mais quente.

Quando Ralphie a ergueu para que ela pudesse colocar as duas pernas ao redor de seus quadris, ele fechou os olhos. A pressa pré-luta, a coca, Chelle, o novo G4 do montante que estava ganhando no BKC, tudo era força em suas veias. Ele era o cara. Ele era o monstro. Ele era-

Ralphie começou a gozar e teria gritado, mas não queria que as pessoas pegassem sua garota assim. Em vez disso, ele cerrou os dentes e segurou firme, deixando cair a cabeça no pescoço perfumado de Chelle e soltando maldições através de sua mandíbula travada.

E então ele teve que dizer isso.

“Eu te amo, eu te amo pra caralho,” ele grunhiu.

Ele estava tão interessado em sua garota, tão entusiasmado com a sensação dela gozando com ele… que ele não percebeu quem os estava observando das sombras a cerca de seis metros de distância.

Se tivesse feito isso, ele teria embalado seu verdadeiro amor e sua equipe, e deixado a borracha na estrada enquanto dava o fora da garagem.

A maior parte do destino dependia da necessidade de saber, entretanto.

E às vezes, era melhor que você não avisasse sobre o inevitável que tinha seu nome nele.

Terrível demais.

***

Avenida Crandall, 2464
18km do Centro

Mae, filha de sangue de Sturt, irmã de sangue de Rhoger, vestiu o casaco e não conseguiu encontrar a bolsa. O pequeno rancho não oferecia muitos esconderijos, e ela encontrou a coisa - com suas chaves, bônus - na máquina de lavar ao lado da porta da garagem. Oh, certo. Ela trouxe suas necessidades na noite anterior e perdeu o controle de muitas sacolas. Sua bolsa tinha vomitado no chão de ladrilhos, e ela só teve energia para colocar o Humpty* de volta em seu Dumpty* [* música infantil, algo como guardar de volta o que caiu da bolsa]. Levar a cópia de Michael Kors* [*design de bolsas] para a cozinha tinha sido demais.

Então, a tampa da Maytag* [*marca de eletrodomésticos] estava tão longe quanto ela havia conseguido.

Agarrando a coisa, ela verificou se a alça quebrada ainda estava pendurada pelo pino de segurança do reparador que ela havia administrado. Sim. Pronto para ação. Ela supôs que poderia ir a TJ Maxx* [* loja de departamento] e comprar um substituto, mas quem tinha tempo para isso. Além disso, "não desperdice, não queira" sempre foi o mantra na casa de sua família.

Na época em que seus pais ainda estavam vivos.

"Telefone. Preciso do meu... ”

Ela encontrou o iPhone 6 no bolso de trás da calça jeans. Sua última verificação dupla? A maça, que era ilegal no estado de Nova York. Mas vamos. Ela era uma vampira vivendo sob o radar dos humanos. Suas leis eram mais como diretrizes.

Parando na porta dos fundos, ela ouviu todo o silêncio.

"Eu não vou demorar muito", ela gritou. Silêncio. "Eu volto já."

Mais silêncio.

Com uma sensação de derrota, ela abaixou a cabeça e saiu para a garagem. Quando a porta de aço se fechou atrás dela, ela trancou a fechadura de cobre com a chave e apertou a maçaneta. A luz do teto se acendeu e a noite fria e úmida foi revelada centímetro a centímetro enquanto os painéis enrolavam os trilhos.

Seu carro tinha oito anos, um Honda Civic da cor de uma nuvem de inverno. Entrando, ela sentiu um leve cheiro de óleo de motor. Se ela fosse humana, em vez de uma vampira, provavelmente não teria notado, mas não havia como evitar o cheiro. Ou o que significava.

Ótimo. Mais boas notícias.

Colocando as coisas em movimento, ela pisou no acelerador e avançou para a calçada. Seu pai sempre dizia para ela voltar, então ela estava pronta caso precisasse sair com pressa. Em caso de incêndio, por exemplo. Ou um ataque de lessers.

Oh, que triste ironia isso.

Olhando pelo retrovisor, ela esperou até que a porta da garagem fosse trancada de volta no lugar antes de virar à direita em sua rua tranquila e sair em alta velocidade. Todos os humanos estavam se acomodando em suas casas durante a noite, agachados para as horas escuras, recarregando antes que o trabalho e a escola fossem reiniciados com o retorno do sol. Ela supôs que era estranho viver tão perto de outras espécies, mas era tudo o que ela já conheceu.

Tal como acontece com a beleza, estranho era relativo.

A Northway era uma via secundária de oito pistas que entrava e saía do centro de Caldwell, e ela esperou até estar nela e cruzando a 98 km/h antes de pegar o telefone e fazer a ligação. Ela manteve as coisas no viva-voz e no colo. Não havia Bluetooth para seu carro antigo, e ela não correria o risco de ser parada por usar um computador de mão-

"Olá? Mae? ” veio a voz frágil e vacilante. "Você está à caminho?"

"Eu estou."

"Eu realmente queria que você não tivesse que fazer isso."

"Ficará tudo bem. Eu não estou preocupada."

A mentira doeu, realmente doeu. Exceto, o que mais ela poderia dizer?

Elas ficaram conectados sem falar, e Mae teve uma imagem da mulher idosa sentada ao lado dela no carro, o roupão bordado e chinelos rosa shock como algo que Lucille Ball* teria usado em torno dela e do apartamento de Ricky* [* refere-se ao seriado de tv americano, I Love Lucy]. Mas Tallah mal se movia, mesmo com sua bengala. Não havia como ela ter coragem para o que estava por vir.

Inferno, Mae não tinha certeza se ela poderia lidar com isso.

"Você sabe o que fazer?" Tallah perguntou. "E você vai me ligar assim que voltar para o carro?"

Deus, aquela voz estava ficando tão fraca.

"Sim. Eu prometo."

“Eu te amo, Mae. Você consegue fazer isso."

Não, não posso. "Eu também te amo."

Quando Mae desligou, ela esfregou os olhos ardentes. Mas então ela ficou atenta sobre as saídas. Quarta rua? Mercado? Ela ficou nervosa por perder o que precisava e acabou saindo da rodovia cedo demais. Fazendo um zig zag ineficiente em torno de uma via de mão única, ela encontrou a Rua Trade e permaneceu nela, os números nas avenidas subindo entre o número 10 até o 20.

Quando ela entrou nos números 30, os valores dos imóveis comerciais despencaram, os edifícios de escritórios antiquados foram fechados com tábuas, todos os restaurantes ou lojas abandonados. Os únicos carros ao redor estavam passando ou mortos e limpos, e esqueça os pedestres. As calçadas rachadas e repletas de destroços estavam vazias, e não apenas porque abril ainda fazia muito frio no interior do estado de Nova York.

Ela estava perdendo a fé em todo o plano quando chegou ao primeiro de vários estacionamentos lotados.

E Jesus, era sobre o que havia neles.

Os veículos — porque com certeza não pareciam sedans e quatro portas normais — eram neon brilhantes, a menos que fossem pretos, e tinham o estilo de anime, todos os ângulos aerodinâmicos e para-choques arredondados.

Ela estava no lugar certo.

Risque isso. Ela não pertencia aqui, mas ela estava onde precisava estar.

Mae puxou para o terceiro estacionamento com a mesma teoria que ela pulou no início da rodovia: se ela fosse muito mais longe, ela poderia ultrapassar as coisas. E uma vez que ela estava dentro do limite de um bloco de arame enferrujado, ela teve que ir até a última fileira para encontrar uma vaga. Enquanto ela avançava, humanos que combinavam com os elegantes drag racers* [* tipo de carro de corrida], versões de Jake Paul e Tana Mongeau* [* casal famoso de celebridades], olhavam para ela como se ela fosse uma bibliotecária perdida em uma rave.

Isso a deixou triste, embora não porque ela se importasse com a opinião de um monte de humanos sobre ela.

O fato de ela saber qualquer coisa sobre influenciadores humanos foi cortesia de Rhoger. E o lembrete de como as coisas costumavam ser entre eles era o tipo de coisa que ela tinha que afastar. Cair naquele buraco negro não iria ajudá-la agora.

Quando ela saiu de seu Civic, ela teve que trancar a porta com sua chave porque o chaveiro estava sem bateria. Colocando a bolsa contra o corpo, ela abaixou a cabeça e não olhou para as pessoas pelas quais passava. Ela podia sentir seus olhares, no entanto, e a ironia era que eles não estavam olhando para ela porque ela era uma vampira. Sem dúvida, seu jeans e seu moletom SUNY Caldie* [* State University of New York, Universidade do Estado de Nova York] eram uma ofensa a todos os seus Gucci.

Ela não tinha certeza de para onde ir, mas um punhado de pessoas estava se encaminhando para um afluente maior de humanos, e muitos deles estavam indo em direção a um estacionamento. Quando ela se juntou ao eventual rio de jovens de vinte anos e todos os seus hot e sexy, ela tentou ver o que estava por vir. A entrada para a pilha de concreto de vários níveis estava bloqueada, mas uma linha se formou do lado de fora de uma porta lateral.

Quando Mae tomou um lugar e se manteve quieta, havia uns bons 12 metros de fila única acontecendo e as coisas estavam se movendo lentamente, dois homens do tamanho de semifinais rosnando para os escolhidos que tinham permissão para entrar e eles recusaram as pessoas. Só não estava claro qual era a tela de dados, mas sem dúvida Mae estaria na lista "sim, não"-

"Tá perdida ou o quê?"

A pergunta teve que ser repetida antes que ela percebesse que estava sendo abordada, e quando ela se virou, as duas garotas — bem, mulheres — que estavam fazendo a pergunta pareciam tão impressionadas quanto os seguranças ficariam quando tentassem negar a entrada de Mae.

“Não,” ela disse. “Eu não estou perdida.”

A da direita, que tinha uma tatuagem sob o olho que dizia "Garota do Papi"* [* escrito Dady’s Girl, no original] em letra cursiva, se inclinou. "Acho que você está perdida pra caralho."

Suas íris eram de um azul tão escuro que eram essencialmente pretas, e as sobrancelhas foram arrancadas com um fio tão fino que — não, espere, elas também foram tatuadas. Cílios falsos tinham pontinhos rosa que combinavam com a gênia rosa e preto do que era mais fantasia do que roupas, e havia muitos piercings em lugares que fizeram Mae esperar que a mulher nunca tivesse corrimento nasal ou intoxicação alimentar.

E pelo amor de Deus, alguém tinha que se perguntar se o A* [* no original falta o segundo D de "Daddy"] que faltava tinha sido intencional, ou se a obra magistral foi vendida por carta e o troco de alguém acabou.

"Não, não estou", disse Mae.

A mulher deu um passo à frente, os seios para fora como a Barbarella, embora provavelmente não tivesse ideia de quem era Jane Fonda agora, muito menos quem tinha sido a atriz nos anos 60. "Você precisa sair daqui, porra."

Mae olhou para a calçada rachada em que todos estavam parados. As ervas daninhas abriram caminho através das costuras, embora tudo estivesse seco e morto graças ao inverno.

"Não, eu não."

Ao lado da agressora, a outra acendeu um cigarro e parecia entediada. Como se talvez isso acontecesse muito e o drama de sua amiga há muito tivesse perdido seu apelo-

"Sai daqui, porra."

A Garota do Papi socou os ombros de Mae com as duas mãos com tanta força que foi como uma chaleira caindo no chão duro, a única boa notícia foi que a alça quebrada de sua bolsa segurou e nada caiu. Quando a descrença atordoada ocupou a maior parte do espaço aéreo em seu cérebro, ela olhou para cima.

A Garota do Papi estava de pé sobre sua presa, toda super-heroína, mãos nos quadris, saltos altos plantados em uma postura ampla, a capa invisível de seu domínio e a alegria sádica por ter intimidado alguém acenando sobre seus ombros.

O resto da fila de espera olhou para trás ou para frente, dependendo de onde eles estavam na fila, mas ninguém estava vindo para resgatar, e ninguém parecia tão impressionado com a Garota do Papi quanto ela mesma.

Mae apoiou a palma da mão no concreto e se empurrou de volta ao nível, levantando-se até sua altura máxima — o que comparado à Purpurinada de salto alto, era o status de oprimida e alguma coisa.

“Saia daqui,” a mulher sibilou. "Você não é daqui."

Aquelas mãos saíram uma segunda vez, acertando o mesmo lugar, como se fosse um tiro bem praticado, uma habilidade perecível que foi mantida em ótima forma. Mas Mae também tinha uma prática relevante. Quando ela cambaleou para trás, os braços batendo, os pés dançando sapateado, seu corpo mais bem preparado para a luta inclinada, ela teve um momento de dormência profunda. Ela não sentiu nada, nem o equilíbrio ruim, nem o vento criado pelo impulso em seu cabelo, nem a rápida sucção de ar frio em seus pulmões.

Foi uma surpresa que ela conseguiu se conter.

Garota do Papi não deu a ela muito tempo para se recuperar. A mulher correu para frente em um ângulo íngreme, como se ela fosse uma zagueira-

O braço de Mae disparou por vontade própria, o galho se transformando em galho de árvore. E a fêmea humana correu direto para a palma da mão aberta com a frente de sua garganta. No instante em que o contato foi feito, os dedos de Mae se fecharam com força.

Depois disso, veio o retrocesso.

Mae começou a andar para frente, escoltando a mulher para fora da calçada. E quando a Garota do Papi lutou para acomodar o movimento para trás, aqueles saltos pontiagudos prenderam-se no chão, Mae ajudou as coisas levantando-a pelo pescoço para que aquelas pernas bem torneadas balançassem. Enquanto isso, unhas de garras compridas decoradas com diamantes e espirais de rosa agarraram-se ao cabo daquele tubo de vento e não chegaram a lugar nenhum, as pontas estalando, uma delas acertando Mae no queixo e ricocheteando no ar.

Não que ela se importasse. Não que ela realmente tenha notado.

A garagem foi construída com concreto que foi despejado corretamente — então suas paredes ofereciam um monte de parapeitos. Quando Mae bateu a mulher contra a laje, o habitus do corpo foi o que cedeu, o fôlego explodindo para fora dos pulmões, aquelas pestanas rosadas alargando.

Mas isso não foi longe o suficiente para Mae.

Ela colocou a mão livre sobre o esterno e aumentou a pressão sobre os ossos da costela anterior... que se traduziu para os pulmões... e finalmente para o coração que bate ferozmente dentro de sua gaiola de barras de cálcio e colágeno.

Os olhos da mulher humana saltaram. Sua jugular passou de latejante para tremeluzente. Sua coloração tornou-se florida como o revestimento de um celeiro.

Em voz baixa, Mae disse: "Você não me diz aonde eu pertenço. Estamos entendidas?"

Garota do Papi assentiu como se sua vida dependesse disso. Qual era a verdade.

Enquanto isso, na periferia, a fila de espera havia se reorientado de sua formação de frente para trás para uma ferradura em torno de Mae, e havia conversas, fracas, mas animadas-

"Jesus Cristo, vocês sabem que não podem fazer essa merda!"

Membros da multidão foram jogados de lado como bichos de pelúcia quando um dos seguranças se aproximou. E quando Mae tirou os olhos da Garota do Papi para dar uma olhada nele, ele parou e piscou. Como se ele não tivesse certeza de que estava vendo isso direito. Como se uma planta de casa fosse maconha.

Ou uma espécie comedora de gente.

"Senhora", disse ele em um tom hum-bem-então. "O que diabos você está fazendo aqui?"

Mae decidiu seguir o exemplo do cara com os espectadores. Com um movimento casual do pulso, ela esvaziou o saco de fichas da mulher e, em seguida, recolocou a camisa e endireitou a jaqueta.

Olhando para o segurança, ela limpou a garganta. “Estou aqui para ver o Reverendo* [* UHUL! VEM REVERENDO!!!!].”

O segurança piscou novamente. Então ele disse em voz baixa: "Como você sabe esse nome?"

Mae moveu a bolsa para a frente do torso e cobriu-a com os dois braços — embora a probabilidade de ser roubada tivesse piorado seriamente. Em seguida, ela se aproximou tanto do cara que podia sentir o cheiro de seu suor fresco, sua colônia desbotada e o produto para o cabelo que ele usava para se certificar de que estava chapado e apertado.

Estreitando os olhos, ela baixou a voz. "Isso não é da sua conta e eu parei de falar. Você vai me levar até ele agora."

Outra piscada. E então, "Desculpe, não posso fazer isso."

"Resposta errada", Mae rangeu. "Essa é a porra da resposta errada."

***

OBS: Os trechos exclusivos serão publicados em 5 partes até abril/2021, e continuarão duas vezes por mês até o lançamento dia 20/04/21. 

0 comentários:

Post a Comment

 

BDL no Facebook

Siga o @BDaggerLovers

Instagram @blackdaggerlovers