TRECHO EXCLUSIVO (PARTE 3) LOVER UNVEILED

 

(Esta é uma tradução livre do site Black Dagger Lover, divulgada aqui pela própria J.R. Ward no dia 02/03/2021)


LEIA:

CAPÍTULO 21

TRECHO 1

TRECHO 2 

TRECHO 3

TRECHO 4

TRECHO 5


ATENÇÃO! A leitura do trecho abaixo é por sua conta em risco, já que ele é 

PURO SPOILER de LOVER UNVEILED.


LOVER UNVEILED - Trecho 3

Capítulo III


Enquanto Ralphie fechava o zíper da calça e Chelle se reorganizava sob a saia, ele estava alerta, mas não zunindo, o orgasmo havia diminuído a coca. Travando seus molares, ele enrolou os braços e apertou todos os músculos da parte superior do corpo, a torção curvando sua coluna para frente, seus lábios saindo de seus dentes da frente, seus ossos dobrando.


O som que ele fez trouxe os rostos de sua equipe ao redor.


“Ele está pronto! Ele é o monstro!”


Naquele momento, como se os “oficiais” estivessem esperando que ele estourasse o suas bolas, a buzina de ar soou na extremidade do nível da garagem.


Sua equipe começou a cantar e Chelle se aproximou e se apoiou nele. Ele beijou sua testa e disse “eu te amo” baixo o suficiente para que ninguém além dela ouvisse. Então ele caminhou para frente, seus meninos formando uma lança de corpos à sua frente, Chelle na retaguarda. Quando eles penetraram na multidão, as pessoas saíram do caminho, os aplausos alcançaram volumes que teriam chamado a atenção — se alguém estivesse em qualquer lugar perto desta parte de merda da cidade.


Por dentro, Ralphie estava sorrindo. Por fora, ele era só ‘foda-se’.


O Reverendo havia combinado essa luta três dias antes, com algum morador de fora da cidade que não tinha ficha e um nome do qual ninguém ouvira falar. Então isso ia ser um belo pedaço de bolo.


"Monstro! Monstro*!" [* no contexto geral, acredito que seja o nome de lutador dele, como a plateia o chama. No original seria “Monster”]


Sua equipe estava gritando seu nome, e a multidão percebeu e segurou a bola. E mesmo sabendo que ela estava assistindo, ele teve que olhar para trás para ter certeza de que Chelle estava verificando isso. Ela estava. Seu queixo estava abaixado, mas seus olhos estavam nele, e ela tinha um sorriso secreto no rosto que o fazia se sentir mais alto do que estava. Mais espesso do que ele era. Mais forte do que ele era.


Ela era sua fonte de força.


Porque ele queria ver aquela pequena felicidade no rosto dela o tempo todo.


Ralphie se recompôs e voltou a se concentrar nos corpos que estavam saindo do caminho para ele. Quando ele se aproximou da área de combate, ele entrou em um campo de iluminação pálida projetada pelas luzes dos poucos carros que haviam sido permitidos passar pelas barricadas no nível da rua apenas para esse propósito do Xenon * [* iluminação azulada e mais clara, usada em carros como Mercedes-Benz, Audi e BMW; o xenônio nada mais é do que um gás. Estes gases são inseridos em um tubo, que, ao receber descarga elétrica, se excitam e emitem uma iluminação de cor azulada ou branca.]. A multidão começou a ficar ainda mais maluca, e ele fingiu que estava no WWE* [*World Wrestling Entertainment, um espetáculo transmitido na TV e internet, de luta livre profissional] e prestes a quebrar uma caveira no ringue.


Embora tudo o que ele tivesse fosse um círculo vermelho pintado com spray no concreto manchado.


Haviam dois círculos, na verdade, o interno com cerca de 5 metros de largura, o externo fornecendo uma proteção de um metro e meio que a multidão não deveria entrar - mas sempre entrava no final das partidas. No início, eles seguiam as regras, então ele deixou sua equipe para trás enquanto ele sozinho entrava na zona de soco.


Sob suas botas, as manchas de sangue seco da luta da semana passada eram da cor de lama, e ele estalou os nós dos dedos enquanto andava de um lado para o outro, seu coração batendo forte enquanto se lembrava de quebrar o nariz e arrancar aqueles dentes. Enquanto ele se animava, a multidão — até mesmo seus meninos e Chelle — desapareceu para dele. Tudo se despediu. Ele estava em si próprio e por ele mesmo. Em si próprio, de si próprio. Em si próprio —


Quando o mantra começou a se repetir e repetir, um trem agarrando seus trilhos, o impulso criando seu próprio tipo de sobretensão, ele afundou seu peso nos joelhos e foi de uma bota a outra com seu corpo magro. Punhos erguidos, bíceps curvados, olhos mal piscando, ele se concentrou em todo o círculo, no anel de corpos que ainda não haviam se separado para revelar seu oponente.


Balançando.


Respirando.


Balançando.


Respirando . . .


Depois de um minuto e meio dessa merda, Ralphie ficou impaciente pra caralho. Mas que porra. Onde estava o filho da puta? Foda-se o cuzão, foda-se o forasteiro — 


De repente, as pessoas na frente dele começaram a vibrar como se estivessem desconfortáveis, cabeças se movendo para frente e para trás como se algum tipo de merda estivesse acontecendo. E então eles estavam se movendo rápido demais, alguns tropeçando na confusão.


Jesus, é melhor ninguém mostrar uma maldita arma —


Uma rampa de trinta pés de comprimento foi formada pelos corpos exagerados, o corredor bagunçado indo do círculo de luta para a passagem aberta distante. No final? Um lutador que ficou sozinho, de costas para tudo, de todos, seus ombros pesados ​​recortados contra o brilho de aço frio da cidade.


O balanço de Ralphie parou. Seu coração deu um pulo.


Mas então uma mulher vestida como uma Karen* [* referência à um estereótipo das mães de meia idade que levam seus filhos para a escola em uma minivan, são loiras e etc.] tropeçou na zona de segurança e olhou em volta com olhos esbugalhados, como se ela não tivesse a menor ideia de onde ela estava.


Ralphie chutou a própria bunda. Mas que porra. Ele era o fodão aqui? Esse cara não era diferente de qualquer outro grande idiota. O bastardo se virou? Ele provavelmente era mais gordo do que o Uncle Vinnie* [* Rapper americano; acredito que ele esteja apenas sendo irônico].


Foda-se ele —


O relâmpago veio do nada, o flash tão fodidamente brilhante que transformou o interior da garagem em meio-dia. E quando as pessoas na multidão, e até mesmo sua tripulação, colocaram os braços sobre as cabeças e se agacharam, Ralphie não fez nada.


Ele apenas ficou lá.


E mediu a tatuagem que cobria as costas enormes e musculosas do outro lutador. O preto e mais branco era uma porra de um crânio enorme, a coroa de osso na nuca, a mandíbula com seus dentes afiados na cintura. E embora os globos oculares tivessem desaparecido, todos apodrecidos pela morte, nada além do mal irradiava daquelas órbitas negras.

Lentamente, o lutador se virou.


Ralphie enrubesceu e não conseguia respirar. Enquanto seu oponente sorria como se ele fosse um assassino em série olhando para sua próxima vítima, seus dentes pareciam longos demais. Principalmente os caninos.


Vou morrer esta noite, Ralphie pensou com um absoluto que não tinha nada a ver com a paranóia da coca.


Era mais como se a mão ossuda do Ceifador* [*Grim Reaper, no original] tivesse pousado em seu ombro... e fechou seu aperto de reivindicação. Para sempre.


O que estava prestes a cair sobre ele era um monstro de verdade.


***


Mae passou pelos seguranças no nível do térreo. Claro que ela fez. E ela conseguiu isso sem resultar em uma repetição das táticas da ‘Garota do Papi’ — embora se ela tivesse que usar contato físico, e como uma vampira, ela poderia ter derrubado qualquer um naquela barreira-de-homens na entrada. Era mais eficiente, no entanto, apenas girar os interruptores nos cérebros humanos e deslizar para dentro como se ela pertencesse, um pedaço de merda entre os cristais Swarovski.


E agora ela estava aqui, amontoada em uma moita de humanos vestidos para se exibir, seus ombros batendo nos dela, seus cheiros invadindo seu nariz como dedos apunhalando, seu coro animado e tangível, em uma fumaça nociva engrossando o ar e obstruindo seus pulmões. Assaltada pela sobrecarga sensorial miserável, seu cérebro tentou se elevar, mas sua consciência era como um globo de neve, toda agitação rodopiante que obscurecia a peça central.


Onde estava o Reverendo?


Obrigando-se a se acalmar, ela tentou enviar seus instintos para fora. Ela não tinha ideia de como o homem parecia, qual era seu nome verdadeiro. Mas os vampiros podiam localizar os vampiros, e ela não iria embora até que o encontrasse —


A multidão mudou abruptamente, os humanos se movendo como gado assustado na área de concreto do estacionamento — e enquanto ela tentava fugir de qualquer comoção que estava acontecendo, de repente ela encontrou todos os tipos de espaço ao seu redor. Ela estava totalmente sozinha.


Olhando para baixo, como se talvez houvesse uma bomba em uma pasta que ela não percebeu, ela viu duas linhas vermelhas pintadas com spray. E quando ela olhou para cima, ela se viu no topo de uma longa separação no mar de corpos...


Mae perdeu todo o fôlego dos pulmões.


O tempo diminuiu. As pessoas desapareceram. Ela nem tinha certeza de onde estava mais.


O vampiro no final do nível do estacionamento, que estava de frente para a noite, era extraordinário... e aterrorizante —


Antes que ela pudesse formar qualquer pensamento adicional, uma luz cegante irrompeu em todos os lugares.


O céu noturno inundou com uma iluminação tão brilhante, tão vasta, era como se a Virgem Escriba tivesse voltado sua ira sobre a própria terra. E então veio a explosão. Qualquer impacto ocorrido foi tão devastador que um flash ainda mais intenso permeou todo o nível do estacionamento, a luz branca invadindo por todos os lados e assumindo como um trovão distante reverberou por toda a cidade.


No entanto, apesar de tudo isso, Mae só tinha olhos para o homem.


Aquela tatuagem da morte em suas costas largas era uma coisa de horror, e ela tinha a sensação de que ele...


O lutador se virou e ela engasgou. Ele tinha ombros largos e músculos e coxas mais firmes do que o concreto em que ele estava. Seu peito nu estava igualmente tatuado, a paisagem com tinta preta e cinza sobre seus peitorais e abdominais, retratava uma mão ossuda saindo de seu torso. Como se ele fosse o canal pelo qual Dhunhd reivindicou o que lhe era devido.


"Volte!"


Pela segunda vez, Mae se concentrou no fato de que ela estava sendo abordada. Mas então uma mão agarrou seu braço — e por uma fração de segundo, seu cérebro disse a ela que era aquela garra do lutador vindo para ela. Com um grito, ela saltou — e antes que pudesse recompor a realidade, foi arrastada de volta.


"Você está na porra da zona de segurança", retrucou o homem. "E acredite em mim, você vai querer sair do caminho disso."


Não havia dúvida do que o cara estava falando, e Mae colocou os braços em volta da cintura, embora ela não fosse o alvo. E quer o oponente do homem estivesse pronto ou não, quer a multidão pudesse lidar com o que estava para acontecer, o vampiro começou a se aproximar, uma ameaça com botas pesadas que aterrissou como se ele estivesse dominando toda Caldwell. Com o queixo abaixado e seu olhar desagradável à frente, sua sobrancelha pesada e sua expressão brutal tornavam impossível dizer de que cor eram seus olhos, mas na medula de seus ossos, ela sabia que eram negros. Negra como a alma depravada que morava dentro daquele corpo impressionante e poderoso.


Quando uma sensação doentia de pavor percorreu Mae, ela tentou se afastar ainda mais, mas os corpos atrás dela estavam muito embalados. E então ela percebeu. Este homem iria enfrentar alguém.


Ela moveu a cabeça na outra direção. "Oh Deus... ”


O humano que seria comido como uma refeição, estava centímetros mais baixo e cem quilos mais leve, e estava claro, pela expressão nua de medo em seu rosto magro, que ele sabia que estava em apuros. Ele também tinha tatuagens, mas eram uma mistura de diferentes escritas, símbolos e cores de tinta, a coleção aleatória não mais coordenada do que a que caíra de sua bolsa no chão na noite anterior. E ela imaginou, passando por seus olhos arregalados e dilatados, que seus pensamentos não eram mais organizados do que suas marcas.


Mae queria dizer a ele para correr. Mas ele já sabia que escapar era o melhor para ele. Ele estava checando atrás dele como se estivesse avaliando sua trajetória de vôo - mas por algum motivo, ele se afundou em uma postura de combate e ergueu os punhos ossudos até as bochechas. Enquanto sua cabeça e ombros se inclinavam para frente, o resto de seu corpo arqueava para trás em seus quadris — como se seus órgãos vitais não quisessem fazer parte disso.


E ainda assim o macho continuou vindo.


O vampiro parou apenas quando ele estava dentro do círculo interno instável que tinha sido pintado com spray no concreto — e ao contrário do humano, ele não se preparou para a agressão. Ele apenas olhou para o homem com os braços caídos ao lado do corpo e a coluna reta como um carvalho. Nenhum punho foi erguido. Nenhuma investida sugerida ou iniciada.


Então, novamente, ele era um predador tão mortal que não precisava de defesas nem de ofensas. Ele era uma lei da física, inegável e inevitável.


Enquanto a multidão ficava em silêncio e os dois lutadores se tornavam um quadro à beira de uma surra, Mae se viu olhando para o peito nu do homem. Havia algo cativante na maneira como a mão ossuda se movia enquanto o homem respirava com inalações calmas e controladas. Enquanto isso, do outro lado do círculo, o humano esperava por um ataque com uma série de saltos e desvios nervosos. Quando nada veio em sua direção, seus olhos olharam ao redor. A multidão estava ficando inquieta e o homem parecia compelido por sua impaciência. Ele se aproximou com cautela, o macho não se movendo em resposta. E então o humano deu o primeiro soco, o ângulo para cima e buscando aquela mandíbula pesada —


O homem pegou aquele punho nodoso em sua palma muito maior e torceu o braço como uma corda. Quando o humano soltou um grito e caiu de joelhos, a multidão engasgou e ficou em silêncio novamente.


"Pare", disse Mae baixinho. "Pare com isso... ”


A expressão do vampiro nunca mudou. Nem sua respiração. E ambos faziam sentido. Ele era um assassino que não estava se esforçando.


Sem nenhuma preocupação no mundo, ele forçou o humano de costas e montou em sua presa. O homem pareceu momentaneamente incapacitado de terror. Isso mudou. Alguma engrenagem estalou em sua cabeça e ele começou a chutar, sua perna pequena o suficiente para dobrar e socar seu pé na área da virilha. O vampiro saltou fora de alcance — e desceu com um conjunto de nós dos dedos voltados para o rosto que mal foram evitados com um giro. O concreto rachou com a força do impacto do soco e o humano voltou a ficar de pé. Seu equilíbrio estava ruim, e seu maior oponente se aproveitou disso, agarrando o outro braço, girando-o e puxando-o de volta contra aquele peito enorme.


Não o morda! Mae pensou. Você está louco? Com tantos humanos —


Exceto que era o homem que afundava os caninos na pele, seus dentes achatados travando no antebraço. Isso não durou muito. O vampiro o libertou, embora a carne tivesse saído com aquela boca, e então ele deu um soco pela segunda vez.


Os nós dos dedos ao lado do crânio nocautearam o humano, o corpo magro indo sem ossos para o concreto, uma piscina mantida unida apenas pelo desleixado saco de pele tatuado.


Foi quando o sorriso do vampiro voltou.


Lento. Mal. Mortal.


Com apenas uma sugestão de presas.


Quando o humano começou a mover seus braços e pernas como se não tivesse certeza de que ainda estavam presos, o macho se abaixou e esperou que a consciência fosse totalmente retomada. Porque, obviamente, não bastava matar. Você tinha que matar sua vítima apenas quando eles sabiam que você estava tirando a vida deles —


De repente, tudo que Mae podia ver era seu irmão. Rhoger era quem estava sob a ameaça. Rhoger era o mais fraco dos dois prestes a ser atingido. Rhoger estava prestes a morrer —


"Não!" ela gritou. "Não o machuque!"


Dado o silêncio chocado da multidão, sua voz ecoou por todo o nível do estacionamento, e algo sobre isso — O grito? O tom? — fez o vampiro ficar atento. Então aquele rosto terrível se virou para ela, e aqueles olhos horríveis se estreitaram.


O coração de Mae parou.


"Por favor", disse ela. "Não o mate —"


Do nada, a mão do humano golpeou com um soco frágil que mais uma vez errou o alvo daquela mandíbula proeminente.


Exceto que então veio o sangue.


Um gotejamento. Um jorro.


Um gêiser.


Da garganta do vampiro.


Confusa, Mae olhou para a mão que havia feito o golpe frágil — e viu algo prateado brilhando nas mãos do humano. Uma faca.


Quando a chuva vermelha caiu na garganta e no peito do homem, quinhentos pares de sapatos e saltos altos foram em um parafuso através do concreto, a multidão correndo para a escada. Enquanto isso, o humano parecia chocado com seu sucesso. Quanto ao vampiro? Sua expressão ainda não havia mudado, mas não porque ele não soubesse de seu ferimento mortal. Ele tocou a segunda boca que havia sido aberta na lateral de sua garganta e, em seguida, trouxe seus dedos brilhantes para o campo de visão.


Na verdade, ele estava apenas irritado ao se inclinar para o lado. Caiu de joelhos. Apoiou a mão no concreto para não desabar totalmente. Enquanto isso, claramente inseguro se ele estava livre de perigo ou não, o humano se contorceu para sair de baixo e decolou em uma corrida mortal.


Mae olhou para o vampiro. Em seguida, olhou para a escada, que estava entupida de corpos tentando sair do estacionamento, da vizinhança, do estado.


“Merda,” ela murmurou enquanto gorgolejos se erguiam do macho.


Não se envolva, ela disse a si mesma. Sua primeira e única preocupação é Rhoger.


Exceto que ela queria ajudar. Inferno, ela se sentia responsável porque distraiu o vampiro — e essa foi a única razão pela qual o humano sobreviveu, a única razão pela qual o macho não iria.


Mas seu irmão precisava dela mais do que esse estranho violento.


O macho fez um som.


"Eu não posso te ajudar", disse ela com a voz rachada.


O homem lutava para falar e, enquanto tossia sangue, ela olhou ao redor. E então foi se ajoelhar ao lado dele. Não havia equivalente 193* [*número da emergência americana; no original 911] para vampiros, e mesmo se houvesse, ele estava perdendo sangue muito rápido para qualquer tipo de ambulância — ou mesmo um curandeiro que poderia se desmaterializar para ele. Além disso, para quem ela poderia ligar?


Talvez o número de telefone da Casa de Audiências do Rei?


Não. Havia regras contra a confraternização com humanos, algumas das quais ela tinha certeza de impedir a luta subterrânea em um mar de Homo sapiens, e tentar matar membros daquela espécie na frente de centenas daqueles ratos sem cauda. Se ela chamasse o povo do rei, tanto ela quanto este vampiro estariam em apuros.


E Rhoger tinha que vir primeiro.


"Existe alguém que eu possa conseguir, para você —"


"Vá", disse ele entre respirações difíceis. “Você deve me deixar. Vai! Salve-se!"


Sua voz era muito profunda e realmente áspera, e quando ela não respondeu, seus olhos se focaram nela com um brilho que atingiu a parte de trás de seu crânio. "Pelo amor de Deus, fêmea, cuide de si mesma."


Era a última coisa que ela esperava que ele dissesse e, quando ele repetiu as palavras tensas, Mae se levantou e cambaleou para trás. Quando ela se afastou, seu olhar duro a rastreou, mesmo que ela não tivesse certeza de que ele a estava vendo.


"Vá", ele ordenou, apesar do sangue saindo do lado de seu pescoço. "Vai!"


"Eu sinto muito —"


"Eu não dou uma porra!"


Tremendo da cabeça aos pés, Mae fechou os olhos e tentou se concentrar.


Quando ela finalmente foi capaz de se desmaterializar, os sons gorgolejantes do vampiro moribundo a assombraram. Mas ela tinha seus próprios problemas e ele estava certo. Ela tinha que cuidar de si mesma. Seu irmão estava dependendo dela.


Além disso, se você vivia pela luta, você morria pela luta.


Era um fato do destino, e não algo que alguém como ela pudesse tentaria mudar.


Ou deveria.



****

INSCREVA-SE NO SITE PARA NÃO PERDER NENHUM EPISÓDIO DO ADAGA CAST

Passo a passo:

• Escreva seu e-mail na caixinha do lado esquerdo superior do site:

• Marque a caixinha do captcha, e confirme. Você receberá um e-mail, e depois deverá clicar no link de confirmação. Pronto! Você receberá um e-mail a cada vez que o site for atualizado.


0 comentários:

Post a Comment

OUÇA ADAGA CAST PELAS PLATAFORMAS

 

BDL no Facebook

Siga o @BDaggerLovers

Instagram @blackdaggerlovers